Não Sou Afrodescendente, Sou Brasileiro

Por Gil DePaula

Me desculpem os politicamente corretos, mas o uso do termo afrodescendentes é algo idiota. Primeiro porque quase todo o brasileiro descende de africanos. Segundo porque nem todo africano é negro. Um bôer da Africa do Sul é africano e não é negro, da mesma forma que um egípcio que vive no Norte da África também não o é.

Esse termo: afrodescendente, que me parece ter sido cunhado nos Estados Unidos, onde a segregação racial é diferente da brasileira, talvez, e coloque-se talvez nisso, seja adequado para os norte-americanos, mas alguém, de repente, julgou que o termo se adequaria ao Brasil, e o importou sem nenhum constrangimento, o que acontece, comumente, com vários outros estrangeirismos lançados na cultura brasileira.

Não vejo no Brasil, brasileiros nascidos há algumas gerações, descendentes de outros continentes ou países, ser chamados, por exemplo de: germanos-descendentes, asiático-descendentes, franco-descendentes, ítalos-descendentes, europeus-descendentes, etc. Portanto, me parece muito mais excludente e separatista o uso do termo afrodescendentes.

Outra discussão inócua, é se devemos chamar os brasileiros que não possuem a pele branca de negro ou preto. Há algum tempo, circulou pelas redes sociais um vídeo em que um senhor negro, que pelo sotaque não era brasileiro, dizendo que o certo seria que pessoas de pele escura fossem chamadas de pretas, e não de negras, pois o termo negro é usado em várias situações de forma desmerecedora. Porém, ele talvez não saiba, mas a palavra preto no Brasil é usada em algumas situações com conotação bastante desprezível (exemplo: “a coisa tá preta”, referindo-se a um acontecimento ruim).

Historicamente, os negros brasileiros nunca se incomodaram em ser chamados de negros. Nunca escutei da minha família e dos diversos amigos negros que eu possuo, qualquer tipo de reclamação por ser chamado de negro. Já fui chamado de “neguinho”, chamo até hoje, amigos de “negão”, e percebo que a forma como se diz as palavras é o que mais importa. A mesma palavra, dependendo da entonação, pode ser recebida como carinhosa ou uma ofensa. Me preocupa muito mais os eufemismos, como aqueles que se referem aos negros como “moreninhos”, que demonstram o incomodo que sente uma pessoa, ao tratar a outra, pelo que realmente ela é.

Quando, realmente, estivermos escutado O Cristo, e entendermos que somos todos irmãos, cumprindo uma missão na seara terrestre e a caminho da evolução espiritual, não mais nos preocuparemos com todas essas questões, que se tornarão menores, pois todos nós que aqui habitamos, pertencemos a uma única raça: a Humana, criada pelo mesmo Pai.

Enquanto isso, esquecerei meus quinhões genéticos brancos e negros e continuarei a ser apenas um brasileiro, que disso se orgulha.

 

Livros de Gil  DePaula – www.amazon.com.br ou www.clubedeautores.com.br > Digite Gil DePaula

Livros-de-Gil-DePaula Crônica da Família: O Vovô Marcílio

5 Comentários

  1. Excelente artigo primo, no mundo está tudo muito confuso, de uma hora para outra surgiram termos, expressões e formas de falar que disparam gatilhos perigosos, que sugerem bulim, racismo, homofobia etc, e o pior é que muitas vezes tudo isso acontece efetivamente para a desgraça de toda a humanidade, preta, branca, hetero ou homo.
    O fato é que necessitamos todos ter muito cuidado para não superdimensionarmos o que de fato existe, não criarmos o que não existe e não permitirmos que a maldade e o desrespeito de pessoas que não aprenderam a ser gente prevaleça.

    • Muito obrigado, José Florindo, pelo comentário no blog.
      Abraços!

      • Marcos Marques Martins Maia

        Valeu Gil.

        De fato o termo afrodescendente sempre tem conotação racista.
        O que realmente é esquisito foi o politicamente correto tentar acabar com os milhões de miscigenados que são os pardos, mesticos ou mulatos.
        Agora a pessoa quem decide , e muitos decidem que são negros ou decidem que sao brancos.

  2. Valeu Gil.

    De fato o termo afrodescendente sempre tem conotação racista.
    O que realmente é esquisito foi o politicamente correto tentar acabar com os milhões de miscigenados que são os pardos, mesticos ou mulatos.
    Agora a pessoa quem decide , e muitos decidem que são negros ou decidem que sao brancos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: