Últimas do blog

QUE RUMO TOMARÁ A SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL, APÓS O VEXAME?

 

Selecão-Brasil QUE RUMO TOMARÁ A SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL, APÓS O VEXAME?

Os dias de Luiz Felipe Scolari e Carlos Alberto Parreira no comando da Seleção Brasileira, em Brasília, neste fim de semana, serão os últimos da dupla à frente de qualquer equipe. Parreira já era, desde 2010, um senhor aposentado, após (mais um) trabalho fracassado na Copa da África do Sul com os anfitriões; e Scolari vinha de passagem pelo futebol do Uzbequistão, para, em seguida, empurrar o Palmeiras à Segundona do Brasileiro. Com essas credenciais, embora se pendurassem em títulos de décadas passadas, os dois desembarcaram no comando do Brasil, em novembro de 2012, às vésperas do Mundial.

A humilhação pública sofrida pelo Brasil diante da Alemanha, por 7 x 1, em uma semifinal de Copa do Mundo em casa, foi o último — e o mais importante — capítulo da biografia dos dois. Todo o resto terá pouca ou quase nenhuma importância. Talvez pela amplidão da catástrofe, nem Scolari nem Parreira (e, ao que parece, ninguém dentro da CBF) tenham compreendido o que aconteceu. A constrangedora entrevista da comissão técnica, capitaneada pela dupla, ontem, é sinal disso.

Provavelmente (mal) orientado pela assessoria, Scolari voltou a falar em “pane”. Agora, foram seis minutos da tal pane. Em uma frase de quatro palavras, o técnico ignorou os outros 564 minutos de mal futebol da sua equipe na Copa e a gentileza alemã, que parou de atacar o Brasil depois de 5 x 0 no primeiro tempo.

Ignorou também aquela que pode ser a única lição dessa vergonha para a eternidade: o resultado vexatório no Mineirão não foi obra do acaso. Apenas oficializou que o país do futebol, como conhecíamos, não existe mais. Na realidade, não existe há algum tempo.

Não de hoje, é o país de um futebol que tolera casos de racismo em campo e nas arquibancadas, de um futebol que não pune a guerra de torcidas, de um futebol que se contenta com média de público inferior a 15 mil pessoas em seu principal torneio, de um futebol que convive com atrasos de salário e falta de estrutura nos clubes de ponta, de um futebol que não investe na base nem na formação de técnicos, de um futebol que, a cada temporada, se distancia mais de qualquer traço de modernidade.

O resultado dessas desventuras em série materializou-se em cada gol alemão, na terça trágica de 8 de julho. E o mais grave: pode se repetir. Provavelmente, nunca naquelas proporções, mas em doses mais suaves, se é que há suavidade na catástrofe.

Cartolagem
Quando um clube brasileiro de grande porte cai para a segunda divisão — e isso vem se tornando frequente justamente em função de uma cartolagem incapacitada —, diz-se que, dali, deve surgir a reconstrução; ainda que, no caso do futebol nacional, os erros se repitam.

Os 7 x 1 da Alemanha sobre o Brasil na Copa do Mundo são impacto multiplicado por 200 milhões. Numa comparação impossível, seria como se um time caísse para divisões inexistentes do futebol. Série H, Série L… E, por consequência, a (boa) intenção precisa acompanhar a proporção do caos. Nessa situação, deve-se buscar uma ressurreição.

Pela primeira vez em muito tempo, não chegaremos à Copa de 2018, na Rússia, como um dos favoritos. Não importa quem seja o próximo técnico, não interessa como jogue a Seleção nas Eliminatórias. Na estreia do Brasil, daqui a quatro anos, os 7 x 1 ainda ecoarão estrondosamente na atmosfera do estádio em que iniciaremos nosso caminho. Melhor assim. A ressurreição requer um ponto de partida muito claro e que faltou nos últimos anos: o reconhecimento de que estamos muito longe de ser um país de futebol.

About genivaldo

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: