Últimas do blog

Vírus: Bilhões Vivem em Você

V1 Vírus: Bilhões Vivem em Você

Você provavelmente já ouviu falar do microbioma humano, a coleção de micro-organismos como bactérias e fungos com os quais compartilhamos nosso corpo, incluindo a pele e o microbioma intestinal.

Mas o que você sabe a respeito do “viroma”? É a soma de todos os vírus em nosso corpo, encontrados em todos os tecidos, do sangue ao cérebro, e até mesmo entrelaçados no código genético dentro de nossas células.

Os vírus são os organismos mais numerosos na Terra. Embora se acredite que temos aproximadamente o mesmo número de células bacterianas que células humanas em nosso corpo (cerca de 37 trilhões), provavelmente temos pelo menos 10 vezes mais partículas de vírus.

Muitos desses vírus estão envolvidos em processos corporais essenciais, fazendo parte do nosso ecossistema interno. No entanto, ainda temos um longo caminho pela frente antes de sermos capazes de entender exatamente o que a maioria desses vírus faz, ou até mesmo o que a maioria deles é.

Estima-se que o campo da virologia tenha explorado até agora apenas cerca de 1% da diversidade viral existente. A maioria dos vírus permanece desconhecida — eles são o que alguns cientistas chamam de “matéria escura viral”.

Patógenos

Patógenos

virus-bacterias-sao-importantes-exemplos-patogenos-5878e8008c755 Vírus: Bilhões Vivem em Você

Apesar disso, eles estão presentes em todas as partes do nosso corpo. Um estudo liderado pelo pesquisador Kei Sato, da Universidade de Tóquio, no Japão, publicado em junho de 2020, encontrou vírus em tecidos humanos do cérebro, sangue, rins e fígado.

A equipe de Sato queria quantificar esses vírus para criar um “atlas” viral do tecido humano. Eles fizeram isso comparando os dados da sequência de RNA com os das bibliotecas existentes de genomas virais, mas isso significava que eles só podiam contar os poucos vírus conhecidos que já estavam catalogados.

Segundo Sato, isso quer dizer que atualmente há um viés na busca por vírus conhecidos, em sua maioria nocivos, os chamados “patógenos”. “Além dos vieses em nossas bibliotecas de referência genética, é difícil coletar amostras em tecidos saudáveis além do intestino, o que significa que podemos estar ignorando muitos vírus inofensivos ou inclusive potencialmente benéficos”, explica.

Má Interpretação

Má Interpretação

49680384436_7a50f6ed45_z Vírus: Bilhões Vivem em Você

É fácil pensar nos vírus como invasores forasteiros maliciosos.

Depois de entrar em contato com a superfície de uma célula humana, um vírus injeta seu código de DNA ou RNA, sequestrando o maquinário da célula e transformando-a efetivamente em uma fábrica para a produção de novos vírus.

Se você imaginar um vírus agora, pense que sua capa de proteína é semelhante a uma nave espacial, chamada “capsídeo”, que ele usa para se transportar entre as células.

Talvez você já tenha visto a imagem do coronavírus responsável pela pandemia de covid-19, o Sars-CoV-2, com sua “coroa” formada por pontas que cobrem a superfície do capsídeo. No entanto, os vírus não são tão estranhos quanto podem parecer.

O termo “vírus”, na verdade, descreve entidades com atributos muito diversos. “Às vezes, nossas palavras para nos referirmos às coisas do mundo não correspondem realmente ao que existe”, diz o professor Frederic Bushman, especialista mundial em microbioma humano da Universidade da Pensilvânia, nos EUA.

Por exemplo, os vírus podem ser transmitidos por meio de uma ampla variedade de mecanismos. Para alguns, nos chamados retrovírus endógenos, o DNA viral passa diretamente entre as células humanas porque estão integradas aos cromossomos.

Apenas uma pequena fração, menos de 2%, do nosso DNA codifica a produção direta de moléculas de proteína (em um processo conhecido como transcrição), e os biólogos costumavam pensar que o restante não era funcional, alguns até chamavam de ‘DNA lixo’.

Acredita-se agora que grande parte desse DNA é derivada de inserções de vírus anteriores, e descobrimos que ela é muito importante na regulação da transcrição de outros genes. Alguns genes de vírus são encontrados em regiões do DNA humano que produzem proteínas essenciais.

Ao longo da história evolutiva, esses genes foram incorporados para o funcionamento essencial de nossos organismos, então não está claro se deveríamos chamá-los de genes humanos ou virais.

Um gene usado no desenvolvimento da placenta humana foi pego emprestado de um retrovírus endógeno, que evoluiu pela primeira vez para produzir proteínas que se fundem às células hospedeiras. Ao longo do nosso passado evolutivo, esse processo de coletar genes por meio da árvore da vida parece ter ocorrido muitas vezes.

Foi sugerido que cerca de 145 dos nossos 20 mil genes surgiram dessa transferência horizontal de genes. Ao transferir moléculas genéticas entre espécies diferentes dessa maneira, os vírus conectam efetivamente a árvore evolutiva em uma intrincada rede.

Má Reputação

Má Reputação

52911775_303 Vírus: Bilhões Vivem em Você

No entanto, os vírus costumam ter má reputação, uma vez que aqueles que recebem mais publicidade apresentam efeitos prejudiciais, causando doenças como aids, abola, catapora e, claro, covid-19.

Na verdade, temos muito pouco conhecimento sobre como a maioria dos vírus afeta os humanos. Pode haver mais de 320 mil vírus diferentes que infectam mamíferos, muitos dos quais são inofensivos, enquanto alguns podem nos trazer benefícios.

Por exemplo, alguns vírus chamados bacteriófagos atacam as bactérias no nosso corpo e têm, portanto, um papel crucial na regulação do nosso microbioma.

Assim como um espécie animal selvagem invasora pode se reproduzir incontrolavelmente quando entra em uma nova área sem predadores ou patógenos (como os sapos-cururus na Austrália ou os ratos em ilhas tropicais), as bactérias também tomariam nossos corpos sem esses mecanismos reguladores.

Os vírus também parecem ser importantes na regulação do nosso sistema imunológico. Em humanos, o vírus da hepatite G pode proteger contra o HIV; enquanto em ratos, o vírus da herpes é conhecido por reduzir doenças autoimunes.

Muitos pesquisadores suspeitam que os vírus tenham um papel importante na manutenção do “tônus imunológico” em humanos (ou seja, um sistema imunológico saudável pronto para responder a patógenos que não é hiperativo, tampouco insuficientemente ativo), embora a identidade e o papel de vírus específicos sejam pouco conhecidos.

Isso não significa negar os efeitos nocivos de alguns vírus e os impactos devastadores que eles podem ter na vida das pessoas. Muitos vírus são claramente muito prejudiciais para nós, e desenvolvemos mecanismos para conter seus ataques.

A equipe de Bushman demonstrou em abril de 2020 que a amamentação reduz a incidência de vírus potencialmente patogênicos que crescem em células humanas no intestino do bebê.

Como um todo, o viroma humano não é “bom”, nem “mau” — é simplesmente uma parte antiga de nós.

Vírus e Evolução

Vírus e Evolução

CORONAVIRUS_FB Vírus: Bilhões Vivem em Você

Os vírus compartilham uma relação evolutiva profunda com animais e plantas. Cada célula do seu corpo faz parte de uma cadeia ininterrupta de vida que se estende por mais de 3,8 bilhões de anos.  Os vírus têm sido uma parte importante dessa dança evolutiva desde o início.

Quanto mais aprendemos sobre o viroma, mais percebemos como alguns aspectos são essenciais para uma vida saudável. Por isso, se espera uma revolução na maneira como concebemos os vírus. Lembre-se de que costumávamos ver todas as bactérias como “germes” perigosos, até que finalmente obtivemos uma compreensão mais sutil de como elas sustentam nossa saúde: a alteração do microbioma bacteriano está agora envolvida em uma ampla variada de doenças, incluindo a doença de Crohn, síndrome do intestino irritável, diabetes tipo 2 e até distúrbios de saúde mental, como depressão.

Somos ecossistemas ambulantes: quimeras de células animais, vírus, bactérias, fungos e outros, e manter o equilíbrio desses ecossistemas é vital para nosso bem-estar. Ainda temos que entender exatamente como funciona nosso viroma humano, mas interrupções podem ter consequências imprevisíveis.

O distanciamento social e o uso generalizado de produtos químicos virucidas, tanto para aplicação em espaços públicos quanto para desinfetar as mãos para reduzir a transmissão viral, tem sido um elemento crucial no combate à atual pandemia de covid-19. Essas mudanças de estilo de vida e outras, como a maneira como nossa alimentação muda e como interagimos com outras pessoas, provavelmente transformarão nosso viroma. 

“Na atual pandemia de covid-19, muitas pessoas veem os vírus simplesmente como ‘o inimigo’, mas precisamos entender melhor os possíveis aspectos de promoção da saúde do nosso viroma humano”, conclui Sato.

O ritmo de novas descobertas na área de virologia é deslumbrante — então prepare-se para muitas outras que vão lançar luz sobre a ecologia secreta de nosso mundo interior.

Fonte: BBC

Livros de Gil DePaula

www.amazon.com.br          www.clubedeautores.com.br   – digite: Gil DePaula

Livros-de-Gil-DePaula Vírus: Bilhões Vivem em Você

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios *

*

Solve : *
24 × 16 =


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: