Últimas do blog

“NEGRO DE ALMA BRANCA” CONDENA PAULO HENRIQUE AMORIM

heraldo_01-300x225 "NEGRO DE ALMA BRANCA" CONDENA PAULO HENRIQUE AMORIM

O jornalista Paulo Henrique Amorim foi condenado por crime de injúria racial pela Terceira Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. A pena ficou em 1 ano e 8 meses de prisão, mas foi substituída por restrição de direitos. A decisão foi tomada no dia 20 de junho e publicada na quarta-feira (3). A defesa de Paulo Henrique informou ao jornal “Folha de S.Paulo” que recorrerá da condenação.

Em 2009, Paulo Henrique publicou no site “Conversa Afiada” que o jornalista da TV Globo Heraldo Pereira era “negro de alma branca” e que não conseguiu revelar nada além de ser “negro e de origem humilde”.

A primeira instância da Justiça do DF tinha negado a ação, mas o Ministério Público recorreu. saiba mais Em outro processo, Amorim teve de se retratar por ofensa a Heraldo Pereira A decisão do TJ afirma que houve crime de injúria racial e que a divulgação da frase em site contribuiu para aumentar o dano ao jornalista Heraldo Pereira. “Se o réu divulga artigo que se restringe a criticar a vítima, sem qualquer dado concreto, referindo-se a esta como sendo pessoa que não conseguiu revelar nada além de ser ‘negro e de origem humilde’ e utilizando expressões como ‘negro de alma branca’ resta caracterizado o crime de injúria preconceituosa”, diz a decisão.

Em outro processo, uma ação civil por danos morais, os dois fizeram um acordo no qual Paulo Henrique se comprometeu a publicar uma retratação e doar R$ 30 mil a uma instituição de caridade. A ação na área cível foi protocolada pelo próprio Heraldo e a criminal, que resultou na condenação por injúria, é de autoria do Ministério Público. Nessa ação civil, a defesa de Heraldo pediu à Justiça o pagamento de uma multa de R$ 200 mil porque a retratação foi feita fora do prazo estipulado.

Segundo o processo, Paulo Henrique Amorim admitiu ter publicado a frase. “É verdade que publiquei no site de minha responsabilidade, quanto a isso, sim, é uma verdade indiscutível.” Os autos afirmam que ele disse ter usado a frase porque Heraldo Pereira não defendia a raça negra. A Justiça entendeu que Paulo Henrique Amorim não agiu com preconceito contra todas as pessoas da raça negra, apenas contra Heraldo Pereira.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: