Últimas do blog

Sobre Perdas e Danos

 

ECTN Sobre Perdas e Danos

Por Gil DePaula

Em 1985, após duas décadas de ditadura militar, o mineiro Tancredo Neves assumiria a presidência do Brasil. Porém, o destino com suas artimanhas pregaria mais uma peça nos brasileiros: o velho político que havia sido governador, ministro do governo Vargas e primeiro-ministro após a derrubada de Jango, morreria às vésperas de sua posse.

Aquela morte causaria uma verdadeira comoção nacional. Afinal, depois da luta pelas “diretas já” que deixou o povo e seus artífices com um gostinho amargo, por não consegui concretizá-la, teríamos, ainda que eleito indiretamente, o primeiro presidente civil, e com ele algumas das nossas esperanças renovadas. Interrompidas essas esperanças, teve o povo brasileiro que se contentar com a posse do vice-presidente José Sarney, figura ligada aos militares.

Durante o mandato de José Sarney, foram restabelecidas as eleições diretas para presidente, prefeito e governador. O Congresso aprovou o direito de voto para os analfabetos, e a nova Constituição brasileira foi promulgada.

Entretanto, seu governo também notabilizou-se por acusações de corrupção, com acusações de superfaturamento e irregularidades em licitações públicas e de favorecimento político nas concessões de emissoras de rádio e TV.

No campo econômico, foram implementados diversos planos de combate à hiperinflação (Plano Cruzado 1 e 2, Bresser e verão), mas todos fracassaram, e ao fim do governo Sarney o país estava mergulhado na recessão.

Passados, agora, quase trinta anos, temos a morte de um politico que também causa comoção (guardada as devidas proporções) e que parecia poder ser um sopro de esperança para a renovação das lideranças do país.

Eduardo Campos, morto nesse último de 13, para muitos representava uma terceira via. Aliado à Marina Silva, que nas últimas eleições teve expressivos vinte milhões de votos, demonstrava a cada dia seu poder de crescimento, tornando-se uma alternativa viável para aqueles que rejeitam Dilma e Aécio.

O principal problema quando se perde uma liderança que desperta, é a dificuldade que o país possui em produzir lideres que além de carismáticos sejam íntegros e competentes.

No Distrito Federal temos um governador que é médico, de baixo carisma e que não cumpriu com a simples promessa que fez nas últimas eleições de melhorar a saúde. Aliás, são pouquíssimos os políticos eleitos que cumprem um bom percentual da agenda prometida.

No cenário nacional e particularmente no Distrito Federal, não enxergo nenhuma liderança que possa agregar competência e valores éticos e, enquanto não os tivermos, sofreremos as perdas e danos da sua decorrência.

Livros de Gil DePaula

www.amazon.com.br          www.clubedeautores.com.br   – digite: Gil DePaula

Livros-de-Gil-DePaula Sobre Perdas e Danos

 

 

 

 

 

 

About genivaldo

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: