Últimas do blog

Mais Doze Beldades Brasileiras

Vários leitores do blog, por e-mail ou mensagens, reclamaram que as suas musas não entraram na primeira lista das mais belas brasileiras. Então, para atendê-los, publicamos agora uma nova relação de brasileiras belíssimas, que ficaram fora do post anterior.

Maitê Proença

Maitê Proença

Maite-Proenca Mais Doze Beldades Brasileiras

Com mais de 30 anos de carreira, Maitê Proença tem em seu currículo 20 novelas, sete minisséries, 19 filmes, três programas como apresentadora, dois livros, duas peças escritas e 11 em que atuou.

Antes de consolidar a carreira, Maitê viajou por mais de 30 países e viveu em Paris. Tem uma filha, de sua união de 12 anos com Paulo Marinho. Sem dúvidas uma das mulheres mais bonitas do Brasil.

Tônia Carrero

Tônia Carrero

Tonia-Carrero Mais Doze Beldades Brasileiras

Tônia Carrero, nome artístico de Maria Antonietta Portocarrero Thedim, é uma atriz brasileira. Após longos anos de carreira, é considerada uma das mais consagradas atrizes do Brasil, com marcantes interpretações em cinema, teatro e televisão. Hoje está com 93 anos.

Paola Oliveira

Paola Oliveira

Paolla-Oliveira-1 Mais Doze Beldades Brasileiras

Caroline Paola Oliveira da Silva Antes de ser atriz, fez faculdade de Fisioterapia na Universidade Cruzeiro do Sul e se especializou em Reeducação Postural Global. Começou a estudar teatro na Oficina Mazzaropi, em São Paulo, e ainda antes de se formar na universidade estudou na Escola de Atores Wolf Maya.

Seu primeiro trabalho na televisão foi como assistente de palco no SBT em 1999, ao lado de Celso Portiolli, quando este comandava o programa Passa ou Repassa.

Posteriormente, atuou na segunda fase da telenovela Metamorphoses, da Rede Record. Já na Rede Globo, conquistou o público no papel da sonhadora Giovana, seu primeiro papel relevante, na telenovela Belíssima.

Paola foi protagonista em O Profeta, no papel de Sônia. Nessa telenovela, começou seu namoro com Maurício Mattar. Em Ciranda de Pedra, telenovela das 18h na Rede Globo, fez a personagem Letícia. Em 2009 fez sua primeira vilã, Verônica, na telenovela Cama de Gato.

Juliana Alves

Juliana Alves

Juliana-Alves Mais Doze Beldades Brasileiras

Juliana Alves de Oliveira (Rio de Janeiro, 3 de maio de 1982) é uma atriz brasileira. Ficou conhecida por participar da terceira edição do reality show Big Brother Brasil em 2003, mas antes foi dançarina do programa Domingão do Faustão.

Atuou em Chocolate com Pimenta (2003) e outros projetos, até ser reconhecida por seu desempenho em Duas Caras (2007) e por antagonizar em Ti Ti Ti (2010) e Cheias de Charme (2012).

No cinema fez participações nos filmes Vamos Fazer um Brinde de 2011 e E Aí… Comeu? de 2012.

Bruna Lombardi

Bruna Lombardi

Bruna-Lombardi Mais Doze Beldades Brasileiras

Bruna Patrizia Maria Teresa Romilda Lombardi nasceu em 1º de agosto de 1952. Em 1967 começou a trabalhar como modelo. Sua estreia na televisão foi em 1977, na telenovela Sem Lenço, Sem Documento, de Mário Prata, pela TV Globo. Em 1978 foi para a TV Tupi para trabalhar na telenovela Aritana, onde conheceu o ator Carlos Alberto Riccelli, seu marido.

Bruna voltou para a Rede Globo para atuar na minissérie Avenida Paulista, de 1982, escrita por Daniel Más e Leilah Assumpção, e, em 1983, interpretou Patrícia em Louco Amor, telenovela escrita por Gilberto Braga.

Em 1985 atuou como Reinaldo Diadorim na minissérie Grande Sertão: Veredas, da Globo. Em 1986 protagonizou a minissérie Memórias de um Gigolô e a telenovela Roda de Fogo. Em 2002 fez a série da Globo O Quinto dos Infernos como Branca Camargo.

Em 2005 atuou como roteirista e como atriz do filme Sob o Signo da Cidade, dirigido por seu marido e rodado em São Paulo. No filme Stress, Orgasms, and Salvation, do mesmo ano, com direção do Carlos Alberto Riccelli, Bruna atuou e assinou o roteiro.

Foi também apresentadora do programa de entrevista com personalidades Gente de Expressão, apresentado aos domingos, no final da noite, na Rede Manchete. No programa participaram como entrevistados grandes celebridades, tais como Mariah Carey, Dustin Hoffman, Jean-Claude Van Damme e Mel Brooks.

Posou para a revista Status, na edição de junho de 1980, e para a Playboy (destaque na capa) em janeiro de 1991.

Cris Viana

Cris Viana

Cris-Viana-1 Mais Doze Beldades Brasileiras

Nasceu em São Paulo em 11 de abril de 1977. Sua estreia como atriz foi em América, como a dançarina Drica. Depois, vieram Sinhá Moça, na qual ela era a escrava Maria das Dores. Ainda em 2006, em O Profeta, Cris viveu a professora Gilda na trama.

O convite para interpretar Sabrina em Duas Caras veio do diretor Wolf Maya. Quando iniciou as gravações da novela, Cris Vianna estava finalizando sua participação em Última Parada 174, filme de 2008 de Bruno Barreto baseado no sequestro do ônibus 174, no Rio, em 2000.

Lídia Brondi

Lídia Brondi

Lidia-Brondi Mais Doze Beldades Brasileiras

Durou apenas 17 anos a carreira de Lídia Brondi. Ela, que estreou na TV em 1974, deixou o trabalho como atriz em 1991, após atuar em “Meu bem, meu mal”.

Na época, sofria de Síndrome de Pânico e procurou tratamento médico. Depois de se recuperar, decidiu estudar Psicologia e vem se dedicando ao seu consultório em São Paulo.

Casada com Cássio Gabus Mendes há 24 anos, ela faz raras aparições públicas, geralmente acompanhando o marido, e evita dar entrevistas ou falar sobre a carreira como atriz

Paula Fernandes

Paula Fernandes

Paula-Fernandes-1 Mais Doze Beldades Brasileiras

Paula Fernandes de Souza (Sete Lagoas, 28 de agosto de 1984) é  cantora e compositora, desde a infância. Começou sua carreira cantando em igrejas e chegou a lançar um álbum de estúdio de música country em 1993, intitulado Paula Fernandes, porém não obteve sucesso.

A cantora então seguiu lançando álbuns até que assinou com a gravadora Universal Music Brasil e, lançou seu terceiro álbum de estúdio de música sertaneja e country, Pássaro de Fogo. O primeiro single do álbum, “Pássaro de Fogo”, ficou na primeira posição das paradas musicais de todo o Brasil.

O segundo single do disco, “Jeito de Mato”, também obteve um bom desempenho nas paradas musicais. Com mais de 350.000 cópias vendidas em todo o Brasil, Pássaro de Fogo foi certificado como Disco de 3x Platina nos Brasil pela ABPD. Ainda desse mesmo álbum, Paula lançou seu terceiro hit com a regravação da música “Quando a Chuva Passar, originalmente cantada por Ivete Sangalo.

Helen Ganzarolli

Helen Ganzarolli

Helen-Ganzarolli-1 Mais Doze Beldades Brasileiras

Helen Ticiane Ganzarolli, iniciou sua carreira quando se mudou aos doze anos para Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, onde participou de vários concursos de beleza e conquistou vários títulos.

Em 1996, ao vencer um concurso chamado Miss Turismo São Paulo realizado na Estância Turística de Presidente Epitácio-SP, e participar também do Garota Rodeio Brasil, em Barretos, ganhou repercussão, o que lhe rendeu um contrato com a Ford Models, e a partir daí, conseguiu exposição na mídia, devido aos desfiles de moda.

Em 2000, passou a trabalhar no programa Sabadão Sertanejo, apresentado por Gugu Liberato no SBT, e, em seguida, foi convidada pelo apresentador para ser a Garota da Banheira no programa Domingo Legal. O quadro, que apostava na sensualidade das pessoas que participavam, lhe rendeu um convite para posar como capa da Playboy, o que a deixou conhecida no país inteiro.

Sônia Braga

Sônia Braga

Sonia-Braga Mais Doze Beldades Brasileiras

Dona de uma beleza singular, Sônia Maria Campos Braga é a atriz brasileira mais sensual que se viu em novelas ou no cinema, indicada três vezes ao Golden Globe, duas ao BAFTA e uma ao Emmy. Nasceu em 8 de junho de 1950.

Aos 14 anos, Sônia foi convidada pelo diretor Vicente Sesso para fazer teleteatros e programas infanto-juvenis no programa Jardim Encantado. Depois disso, ela se integrou num grupo teatral que se apresentava na região do ABC Paulista.[6] Aos 17 anos, estreou na peça “O Marido Confundido – George Dandin” em Santo André. Em 1968, aos 18 anos, participou da montagem brasileira de “Hair”, onde causou escândalo ao aparecer em cena nua. Além disso, ela também atuou no teatro infantil, como na peça de 1979, No País dos Prequetés.

A carreira de Sônia Braga ganhou novas conotações em 1975 ao protagonizar a telenovela Gabriela. No papel-título, Braga “tomou o Brasil, tornando-se um nome conhecido”, como observou Sue Branford e David Treece para o jornal britânico The Guardian. A novela baseada na obra de um dos mais conhecidos escritores brasileiros, Jorge Amado, atingiu uma das maiores audiências em sua época, uma média de 25 milhões de pessoas.

A personagem logo a levou a estrelar outra história de Amado, Dona Flor e Seus Dois Maridos (1977), uma das maiores bilheterias do cinema brasileiras de todos os tempos. Dirigido por Bruno Barreto, Dona Flor conta a história de uma jovem viúva que perde seu marido Vadinho – interpretado por José Wilker – e logo se casa de novo, com o recatado e pacífico farmacêutico da cidade, Dr. Teodoro Madureira (Mauro Mendonça). Com saudades do antigo marido que apesar dos defeitos era um ótimo amante, acaba causando o retorno dele em espírito, que só ela vê. O sucesso da comédia ajudou a lançar o nome de Braga a nível internacional, e também chamou a atenção favorável para o cinema brasileiro em geral.

Suas personagens em Tieta do Agreste e Saramandaia ajudaram ela a manter seu posto de Sex symbol. Em 1978, estrelou como Julia Matos a novela Dancin’ Days, escrita por Gilberto Braga, sua personagem é uma ex-presidiária que tenta reconquistar o amor de sua filha.

Em 1981, com Eu Te Amo, filme dirigido por Arnaldo Jabor, Braga venceu o prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema de Gramado. Neste ponto de sua carreira, Braga era anunciada como a próxima grande estrela sensual do cinema internacional, aos passos de Sophia Loren. Os relatos da imprensa ligando seu nome a romances com seus colegas de elenco ou diretores só aumentava o fascínio sobre ela; tais rumores cercaram a produção de um remake de Gabriela para o cinema em 1983 com o galã italiano Marcello Mastroianni.

Sandra Bréa

Sandra Bréa

Sandra-Brea Mais Doze Beldades Brasileiras

Sandra Bréa Brito, conhecida profissionalmente como Sandra Bréa, foi uma atriz brasileira, considerada símbolo sexual do país na década de 1970 e na década de 1980.

Sandra Bréa iniciou sua carreira aos treze anos de idade, como modelo. Aos catorze, ela seguiu para o teatro de revista do Rio, onde estrelou Poeira de Ipanema.
Em 1972, o diretor Daniel Filho convidou-a para interpretar Telma, personagem da novela O Bem-amado, da Rede Globo.
Como atriz estreou, em 1968, na peça Plaza Suite, tendo sido escolhida para o papel pelo diretor João Bittencourt e pela atriz Fernanda Montenegro.

Contratada por Moacyr Deriquém, foi trabalhar na Rede Globo, estreando na telenovela Assim na Terra Como no Céu, em1970. Seu primeiro grande papel, porém, foi no clássico O Bem Amado, de Dias Gomes, em 1973. Em seguida, atuou em Os Ossos do Barão e Corrida do Ouro, Escalada, O Pulo do Gato , Memórias de Amor, Elas por Elas, Sabor de Mel, Ti Ti Ti, Bambolê, Pacto de Sangue, Gente Fina e Felicidade. Com exceção de Sabor de Mel, feita na Rede Bandeirantes, todas as demais foram feitas na Rede Globo.

Logo que estreou na televisão, Sandra Bréa começou a fazer não apenas novelas, mas também shows, como Faça Humor, Não Faça Guerra, onde conheceu Luís Carlos Miele, que veio a ser seu parceiro em uma série de apresentações que misturavam canto, dança e humor, principalmente no programa Sandra e Miele, apresentado pela Rede Globo a partir de 1976, tornando-se um grande sucesso de crítica e de audiência.

Muito bonita, Sandra Bréa foi um dos principais símbolos sexuais do Brasil, principalmente na década de 1970, tendo posado nua diversas vezes para as revistas como Statuse Playboy, entre outras. Sua beleza também rendeu convites para filmes eróticos (como Sedução; Cassy Jones, o Magnífico Sedutor; Herança dos devassos, Um uísque antes, um cigarro depois e Os Mansos) e pornochanchadas. Seus primeiros nus foram feitos ainda na década de 1970, em pleno regime militar, quando esse tipo de coisa era bem menos comum.

Quitéria Chagas

Quitéria Chagas

Quiteria-Chagas Mais Doze Beldades Brasileiras

Quitéria Chagas é modelo, dançarina e atriz. Nasceu e foi criada numa família de classe média da Tijuca, bairro tradicional da zona norte do Rio, e desfila desde 2003 no Carnaval carioca. Quitéria é musa do bloco Cordão da Bola Preta, no Rio de Janeiro, e desfila na Marquês de Sapucaí pela Unidos de Vila Isabel.

Trabalhos na televisão
2013 (Zorra Total), 2008 (A Grande Família, Faça sua História), 2006 (Páginas da Vida) Dorinha, 2006 (Sob Nova Direção, JK), 2001 (O Clone).

Livros de Gil DePaula

www.amazon.com.br          www.clubedeautores.com.br   – digite: Gil DePaula

Livros-de-Gil-DePaula Mais Doze Beldades Brasileiras

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios *

*

Solve : *
20 − 17 =


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: